sexta-feira, 20 de outubro de 2017

Avaliação do Cartão Nubank

Fala galera da Finansfera!!!

Há quase um ano ouvi falar do cartão Nubank. Era novidade o formato da administração e como gosto dessas novidades e de startups, resolvi fazer o cartão. Na verdade nem precisava de mais um cartão mas mesmo assim fiz.

Esse Gabriel Lima é famoso com o Nubank (foto tirada da Internet)


O Nubank é uma startup que, tem como investidores Sequoia Capital, Kaszek Ventures, Tiger Global Management, Founders Fund, Goldman Sachs, QED Investors e DST Global. Recebeu em seus dois primeiros anos de existência o aporte de 600 milhões de reais. É umas das primeiras empresas brasileiras a trabalhar com os cards do Google Now, no qual é apresentada a informação de fatura fechada.

O fato é que só comecei a usar o Cartão há 3 meses e estou gostando bastante. Ele não fornece exatamente um programa de milhagens, o que pode ser vantagem em certos casos mas ele criou um programa específico e creio que no futuro vá ser bem interessante.

Talvez a principal vantagem seja mesmo a isenção total de anuidade. Eu estou frequentemente cancelando e assinando novos cartões de crédito justamente por conta da maldita anuidade que odeio pagar. Os lojistas já pagam as taxas para as operadoras e elas ainda querem cobrar anuidade dos clientes, acho absurdo do ponto de vista do consumidor mas do ponto de vista do investidor é ótimo! Tenho um cartão AMEX que não cobra anuidade nunca e a única coisa que não posso deixar de fazer é deixar mais de 6 meses sem efetuar uma compra.

Uma das coisas que mais gostei foi a interface amigável e rápida que o aplicativo tem. Exatamente tudo o que você comprar pode ser visto praticamente on line no app e já vem dividido por categoria e até com a localização da loja onde a compra foi efetuada. Isto facilita um monte quando a gente esquece o que foi comprado quando vemos um valor diferente.

Precisei de atendimento por ter pagado a fatura duas vezes. Pois é, não sei como fiz isso, acho que deixei em débito automático em um banco e acabei pagando a fatura em outro mas o fato é que o atendimento foi satisfatório o que já se destaca dos atendimentos ruins de várias outras operadoras de cartão.

A única coisa que estranhei é que eu fiz atendimento pelo chat e por mail e parece que eles não se conversavam entre si mas os dois estavam falando praticamente a mesma coisa e estavam prontos a ajudar. Assim que o pagamento foi compensado na conta deles, me estornaram o valor em duplicidade.

A bandeira é MasterCard então é aceito em muitos lugares. Pelo aplicativo temos a oportunidade de antecipar o pagamento da fatura no montante que desejar. É bem interessante a facilidade e a clareza que o Cartão oferece aos clientes o que, novamente, é bem diferentes dos grandes bancos que gerenciam cartões por aí.

Mas como a concorrência anda rápida, já existe o Trigg que também é um cartão de crédito da bandeira Visa que oferece muita facilidade, dentre elas o pagamento por meio de uma pulseira utilizando a tecnologia NFC. Promete também uma parte do seu dinheiro de volta a cada compra. Ainda não me inscrevi para receber a proposta deste e não tenho uma avaliação ainda, talvez o faça em breve.

 

O Nubank tá crescendo bem e já vão lançar alguma novidade por aí do dia 24 de outubro.



Por fim, minha avaliação sobre o Nubank é muito boa e já estou de olho no crescimento dela tanto como usuário como em um possível investimento. Em um mundo de competições e boas startups surgindo por aí, é sempre bom ficar de olho no crescimento de algumas.

Por enquanto é isso pessoal.

Abraço a todos!
 


quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Resultado trimestral da GWW, bombou!

Fala galera da Finansfera!!!

Esta semana foi uma grata surpresa receber o balanço da GWW, Grainger www.grainger.com 

A Grainger é uma distribuidora de diversos equipamentos para empresas. Trabalham com parte elétrica, EPI, equipamento para obras em geral.

 





Eu já tinha comprado GWW mas não tinha feito um post específico.

O trimestre foi marcado por ajustes por parte da empresa tanto nos EUA quanto no Canadá. Passaram por uma reestruturação no Canadá diminuindo algumas filiais e reduzindo o efetivo e isso trouxe economia de gastos. O volume de vendas por lá  aumentou cerca de 7%.




Já nos EUA o volume de vendas também foi de 7% mas houve uma deflação nos preços de 5%. Lembram que eu comentei aqui que o furacão era oportunidade para alguns? Então, as vendas aumentaram 1% devido aos recentes fenômenos mas foram compensadas pelas férias por lá e pela sazonalidade então o crescimento foi real, (pelo menos é o que eles dizem), o que isto quer dizer é que não precisamos considerar como um não recorrente o aumento do lucro por conta dos furacões, ele foi ajustado pelas férias e sazonalidade nas vendas.



Outro ponto que ajudou a melhorar as vendas foi a nova política de preço associada às vendas online. A GWW sofreu o chamado "efeito Amazon" e teve uma queda de mais de 20% no preço só neste ano mas se ajustou e se rendeu a melhorar o comércio on line e o resultado veio agora, bem positivo por sinal.

Os outros negócios da empresa também tiveram bons resultados.


Os dividendos vêm aumentando há 46 anos. Ela é considerada uma das top 10 em dividendos nos EUA.



Após os bons resultados o que aconteceu com a ação? Disparou!!!



No dia 17/10 quando saiu o balanço a ação subiu mais de 12%. Veja bem, estamos falando de 12% de alta em um dia cotado em dólar! Até o fechamento deste post ela estava subindo 1,46% como mostra a foto.

Acontece isso por vários fatores, otimismo, euforia, sardinhada e o ajuste do preço da ação em relação aos dividendos pagos, caso não haja essa escalada no preço o DY dela acaba ficando muito alto. A GWW já paga em média de 6 a 8% por ano.

Mas isso quer dizer que a ação é a melhor que existe? Claro que não. Ela ainda tem muito a mostrar. Este é um trimestre que veio muito bom mas temos que aguardar os próximos e ver como vai ser comportar. Este crescimento foi forte e para manter o próximo pelo menos igual a este, a empresa terá que exercer uma boa administração e política de marketing on line, o que deu resultado agora.

Caso o próximo trimestre venha bom aí ela sobe mais ainda e assim vamos acompanhando. Eu sinceramente não sei se vou continuar com ela muito tempo. Vou acompanhar bem de perto, se as expectativas forem boas eu mantenho. Fato é que meu lucro nela tá bem gordinho, que dá uma vontade de vender, ah dá kkkkk.

Por enquanto é isso pessoal.

Abraço a todos!

P.S. Lembro a todos que não sou analista e isso não é recomendação de compra.

terça-feira, 17 de outubro de 2017

Como você vive a vida? Frugalidade ou Equilíbrio?

Fala galera da Finansfera!!!




Resolvi falar de um assunto bastante polêmico e que me deixa profundamente irritado só de ouvir a palavra: Frugalidade! De fato estou brincando quando digo que fico profundamente irritado quando ouço a palavra frugalidade mas o que as vezes me deixa inquieto é como as pessoas falam sobre isso.

Vejo em muitos lugares pessoas falando sobre frugalidade de modo que o comportamento para ser frugal deve ser de nunca viajar, nunca comprar, nunca sair, nunca gastar e sempre que você quiser algo, dê meia volta e não compre pois isso é coisa do sete peles, do coisa ruim, do chão gelado.

Não sou adepto à esse estilo de vida que alguns pregam por aí, muito pelo contrário sou adepto ao estilo de vida: faça tudo o que você quiser, puder e que te satisfaça! Baseio minha vida em outra palavra ao invés de frugalidade, baseio-me em: Equilíbrio!

Ao invés de ficar propagando, não frugalidade mas sim pobreza, miserabilidade, propague o equilíbrio. Vou já falar sobre equilíbrio mas antes vou falar sobre essa pobreza.

Quando falo da pobreza que citei acima não me refiro a pobreza da falta de dinheiro mas sim da pobreza de espírito e até mesmo da ignorância de não ser razoável com seus amigos, familiares e principalmente consigo mesmo. Falo de pobreza de quem tem dinheiro para realizar alguma vontade, algum sonho mas para ter mais dinheiro guardado, deixa de fazer.

Outro dia li por aí um texto que citava uma pessoa que estava pensando em aproveitar uma promoção e alguém, achando-se muito sábio, fez algumas perguntas do tipo se ela usava constantemente aquele serviço ou se a vida dela dali pra frente iria mudar se ela comprasse a promoção. No fim pareceu que foi a coisa mais brilhante que já foi perguntada para fazer alguém economizar dinheiro.

Neste caso eu já faço outras perguntas. Primeira pergunta é se você comprar essa promoção, em que vai te afetar financeiramente? Se for te deixar com dívidas ou se for gastar parte do seu patrimônio já guardado, digo para não comprar e se realmente quiser no futuro, que faça uma espécie de poupança para adquirir como por exemplo a troca de um carro.

Outra colocação que faço é que se o valor for baixo e não te afetar em nada, o que era o caso da pessoa, então que compre e usufrua do produto ou serviço. Ora, dizer que você não precisa comprar algo só porque você não tem o costume de usar é a mesma coisa que dizer para não viajar pois você não viaja todo mês ou todo ano.
Não é porque você não tem o hábito de algo que não vai se dar ao luxo de ter ou usar uma vez ou por um período. Esta colocação refere-se a por exemplo passar um fim de semana em um resort ou Spa, em ficar em um hotel melhor quando viajar, em comer em um restaurante melhor em alguma data especial ou até mesmo para fugir da rotina e etc.

Vai me dizer que uma pessoa que regularmente guarda mil reais por mês, comer uma vez em um restaurante e pagar 200 reais na conta vai fazer ela ficar mais pobre? Talvez fique mais pobre em dinheiro mas na qualidade de vida, no momento desfrutado junto à alguém especial, na experiência de ter saboreado algo diferente, na cultura, acredite, você ficará mais rico.

Pregando essa frugalidade que vejo muito por aí você acaba vivendo uma vida medíocre e pobre. O dinheiro fica todo guardado, o tempo passa e você não usufrui da vida nos momentos certos.

Mas calma, após ter reclamado sobre essa frugalidade que acho desnecessária, vou falar sobre o equilíbrio!


O equilíbrio e a razoabilidade são, na minha opinião, as melhores coisas para uma vida mais proveitosa. Equilíbrio e razoabilidade devem ser aplicado não só à questões financeiras mas a tudo o que é decisão na sua vida.

Meu primo sempre me zoava por eu ter sempre uma porcentagem pra tudo. Do salário eu praticamente tinha 15% pra guardar, 20% pra curtir, 10% para prestações e o resto para as despesas correntes. Claro que essas porcentagens não são reais pois não tenho esse controle assim mas meu primo gostava de dizer que eu fazia isso e era bem engraçado.

Quando você separa uma porcentagem para cada coisa que gosta de fazer você faz um equilíbrio e na hora que deve decidir as quantias você tem que ser razoável. Colocar 5% para aposentadoria e 45% para curtir não é nada razoável assim como guardar 60% do salário e comer miojo 30 dias no mês também não é.

É claro que cada um tem uma situação particular e não estou dizendo para todos saírem gastando suas economias, apenas estou dizendo que temos que ser razoáveis dentro das nossas possibilidades e vontades, friso novamente isso.

Costumo dizer àqueles que me pedem orientação que o mês deve começar com zero na conta. Recebido o salário você separa o das contas, o do investimento, o do lazer e pronto. Se gastar o do lazer no primeiro fim de semana então os outros 3 finais de semana você terá que ficar em casa. Assim como se terminar o mês e ainda tiver dinheiro na conta, este dinheiro deve ir para os investimentos e começar outro mês a partir do zero, assim você vive com seu salário fazendo aportes e ainda se divertindo.

Nada é pétreo. Tudo tem que ser equilibrado e razoável. Se você precisar de um sacrifício por um período para atingir um objetivo, então que seja, o que me refiro é a viver uma vida dessas de cancelar plano de saúde, cancelar academia, não comer comida boa pois é cara, de não consultar especialistas em determinadas áreas como arquitetos, nutricionistas, psicólogo por achar perda de dinheiro e principalmente de deixar passar alguns momentos com seus familiares e ou amigos porque quis guardar aquele dinheiro.

Eu mesmo já tive momentos de total retração em tudo na vida pois tinha um objetivo, assim que atingi voltei ao meu equilíbrio de estar sempre vivenciando tudo o que quero com razoabilidade.




Experimente fazer uma viagem com sua família para um lugar diferente em que vocês possam se divertir muito, isto vai ficar na memória para sempre! Uma vez fiz uma viagem para Califórnia com minha filha e aluguei um Mustang conversível, (o que não é nada absurdo de caro lá e sai pelo preço de um carro normal no Brasil, acredite se quiser, paguei na época em 2015, R$ 1.300,00 por 13 dias). Quando eu viajo alugo carro mais barato que tiver mas naquela ocasião que era comemorando seus 15 anos e uma viagem somente pai e filha, achei que o preço que paguei não se compara com o valor que foi pra ela em realizar uma viagem para o exterior com o pai e andar em um carro que no Brasil é praticamente impossível.

Patrimônio intangível


Vivenciando coisas novas, viajando, passando mais tempo com a família, comemorando com amigos faz você gastar dinheiro mas nestes casos você está investindo em algo intangível que é a experiência, a amizade, o momento especial. Não deixe que a razão tome 100% das suas atitudes pois a emoção é tão importante quanto.

Adquirir cultura, experiências, amizades e etc enriquece a alma e o espírito, te torna mais inteligente e exercita o cérebro. Te faz ser mais tolerante por conhecer mais coisas e pessoas.

Enfim, poderia argumentar e debater em muito essa ideia de frugalidade, equilíbrio e razoabilidade. Defendo que não há uma regra e que se for necessário fazer um sacrifício desses, então que não seja a vida toda e sim temporário. Não é utilizar a famosa frase " vou morrer e vai ficar tudo aí" que vai fazer você gastar tudo e ainda se endividar mas ela acaba deixando aquela interrogação: e se eu morrer?

E você? Como vive a vida? Qual é seu equilíbrio?

Por enquanto é isso pessoal.
 
Abraço a todos!

terça-feira, 10 de outubro de 2017

Brasil, o país dos impostos!

Fala galera da Finansfera!!!

O título do post já diz tudo né?! É um absurdo como pagamos impostos no Brasil. 



Na verdade as coisas são deturpadas e empurradas goela abaixo no povo como se fossem normais. São tantos absurdos no dia a dia que ficamos comparando quem está sofrendo o menor dos absurdos.

Outro dia fui realizar a transferência de proprietário e de município do carro que comprei. Falei sobre esta compra neste post. Chegando ao Detran, após aquela espera básica pelo atendimento, recebi a notícia que precisaria ir ao cartório pagar R$ 4,50 para que eles pudessem imprimir o boleto com o valor das taxas pra eu pagar. Para minha sorte (como se já não fosse pensado por eles) tinha um cartório ao lado.

Aqui vai a primeira indignação! Pagar R$ 4,50 somente para que eles pudessem imprimir o boleto mas enfim, vamos prosseguir.

Após isso vem a maior indignação, o boleto veio no valor de R$ 962,00, isso mesmo, R$ 962,00 reais somente para transferir o carro de proprietário e município. Além deste valor ainda tenho que pagar aquela tarjeta com o nome do município, o que é terceirizado e tem sempre um vendedor já na porta do Detran te oferecendo por uma bagatela.

O que acontece é que quase ninguém se dá conta de como benéfico é para o governo ter o carro em seu município. Este tipo de transferência deveria ser de graça. Os prefeitos deveriam concitar a todos a levarem seu veículo para a cidade deles pois todos os outros impostos que o carro gera vai ficar no município.

Quando você tem um carro ( já discutimos muito sobre os custos de se ter um carro) você paga vários impostos. Senão vejamos alguns dos itens que geram impostos sobre o veículo.
  • Seguro;
  • Gasolina;
  • IPVA;
  • Manutenção;
  • Pedágios;
  • Estacionamentos; 
  • Eventuais multas;
  • Outros cuidados como lavagem, polimento e etc.
Pode parecer loucura mas não é. Apenas um  carro gera muito dinheiro para o município então pra quê cobrar quase mil reais somente para transferir de município?

Outra pergunta que devemos fazer é: Qual o produto que esses mil reais está comprando? Qual o custo de lançar no sistema, vistoriar o carro e imprimir um novo documento?

É um absurdo o valor da transferência para um serviço que não gera custos altos. Por mais que exista funcionários e insumos para o serviço, com certeza não chegaria a 300 reais já com lucro. O que acontece é que o governo aproveita para tirar dinheiro do povo com isso. Eu só fiz a transferência porque precisava colocar o carro no meu nome, caso contrário ficaria com a placa de outro município mesmo.

Saiu na Folha de São Paulo em 2012, um ranking das 100 cidades que mais cobram impostos. Coloquei aqui somente os 30 municípios que mais cobram impostos.

 

Como se não bastasse tudo isso, ainda fazendo o "reajuste" anual de imposto de renda kkkk, só rindo mesmo para aguentar esse país.

Enfim, nosso país tem uma das maiores cargas tributárias do mundo e ainda temos muitos problemas de governo, isto demonstra a má administração que sofremos. Somo um país riquíssimo mas esta riqueza não está na honestidade nem na gestão pública. É um absurdo atrás do outro.

Por enquanto é isso pessoal.

Abraço a todos!

Atualizando: Ainda tive que pagar mais 45 reais para trocar a tarja com o nome do município e mais 9,80 só para eles imprimirem a autorização para rodar por 10 dias até que chegue o documento.